A pàgina primeiro (http://www.antis.se/quim_1.html)!


Andando à pé /
© Kim Mällberg 1993 e 2002 / http://www.antis.se/quim_9.html


Andando à pé (prosseguimento).
(© Kim Mällberg 1984, 1993 e 2002)

 

"Plölein" e o postal de paisagem mais famoso da cidadade. As lojas para turistas são abertas até nos domingos. Está cheio de turistas. Os sinos da igreja rescam sôbre a cidade. Um poço com uma sereia masculina com dois rabas em um pedestal. De uma igreja de côr vermelho-claro ao lado, se ouve música de órgão e um côro, bem de parede com o museu criminal.

 Vista de la muralha, Rothenburg ob der Tauber.

Vista de la muralha,

Rothenburg ob der Tauber.

 

Por caminhos pequenos passo pelo muse de bonecas Katharina Engels.

 

Na "Marktplatz", praça do mercado ferve de gente. "Fremdenfürer", guias juntam grupos de turistas ao seu redor. Sôbre uma entrada da câmera municipal estão pintados os escudos com as macas das familias conhecidos da cidade.

Marcas das familias nos escudos da camara municipal.

Marcas das familias nos escudos da camara municipal.

 

A gente fica com vontade de colecionar simbolos outra vez como na primira caminhada em volta da terra em 1974-1977. Uma idéia divertida a de colecionar simbolos. Só se necessita caneta e papel.

                           

 

Dentro do portão. Uma escada de caracol. Olho numa sala de "cavaleiro". Chão de pedra. Quadros nas paredes com brasôes herádicas de 1674 à 1763. Sigo subindo a escada. Turistas! A escada da tôrre é de madeira. Apertado. Alguns querem subir outros descerem. Meninas bonitas. Todos os idomas possiveis. Mais apertado e mais escuro. Eu tenho que parar e esperar na fila. "Deixe as pessoas descerem primeiro", esta em um cartaz. Quase lá em cima tem que se pagar. 1 marco (DM)! E esperar. Um outro cartaz nos pede para estar no teto da tôrre máximo dez minutos. A cidade se alarga como um mapa. Bela vista! Eu tiro fotos, dou a volta

 

Bela vista, Rothenburg ob der Tauber.

Bela vista, Rothenburg ob der Tauber.

 

pela tôrre e espero depois pela minha vez. Desço outra vez pela entrada apertada. Atropêlo. Passo furtivamente. Assim eu saio da passagem estreita. Escada de caracol. Eu encontro marcas de pedra em cada pedra no meio dos degraus. Eu os desenho rápido.

Marcas de pedra nos degraus da câmara municipal.

Marcas de pedra nos degraus da câmara municipal.

 

Um trabalho de mestre esta escada! Ao sol outra vez. Gente tomando sol na escada da câmera municipal. Saio em volta do edificio e entro num portão. O museu aqui trata sôbre o destino do ano 1631, a guerra de trinta anos e a tradição teatral daqui da cidade. 2 marcos (DM) de entrada. A primeira sala é sôbre o vidraceiro Adam Hörber (1827-1905), que começou com os jogos de festa. A segunda sala é sobre aguerra de 1631 e aqui também tem textos e fotografias do Gustavo Adolfo, rei da Suécia e da guerra de trinta anos. Uma armadura, "Pappenheim-Harnisch".

Uma marca de pedra.

Uma marca de pedra.

 

12.15 horas.

 

Ao sair do museu decidi ir para a nossa barraca lá em baixo no vale. Do caminho da cidade enconto mais um simbolo, uma marca de familia numa das grandes pedras da porta da igreja de S. Wolfgang.

 

É uma fácil caminhada. Um muro de grandes pedras conservam o caminho no lugar. A menina que vai descendo a dadeira na minha frente tem um cachorro grande e peludo. Ela está vestida de azul, com sandálias e cabelos compridos ondulados. Um helicóptero e o aviãozinho de hélice voando outra vez. O dia da aviação deve ser examinado! Um garoto brincando com uma cancela de ferro.

 

13.30 horas.

 

Detwang. A barraca estava vazia. Ninguém em casa! Perto no restaurante do acampamento encontrei minha mãe e meu pai no meio de um monte de corujas, que os proprietárias colecionavam. Até postais entram na coleção, junto com quadros, fotos e enfeites. Nós comemos verdadeiras panquecas de batata com marmelada caseira. Gostoso! Meu pai conta as suas impressões do dia. Êle também tinha caminhado. Êle também tinha olhado a igreja de Leuzenbronn. Êle tinha encontrado a igreja no mapa e pensou que acharia alguma coisa lá. E êle encontrou, êle foi algumas horas depois de mim. De acôrdo com o padre esta é a igreja mais velha da região. Meu pai acha que de inicio era uma igreja dos catares. Depois da missa meu pai entrou na igreja olhou em volta e conversou com o padre.

 

13.35 horas.

 

Agora vou me didicar ao espetáculo do dia da aviação. Dos hospedeiros no acampamento fico sabendo que o aeroporto fica a alguns quilômetos de distância e êles me apontam mais ou menos em que direção fica. Em passo rápido vou para Rothenburg. E espero estar fazendo certo quando vou para o leste do lado de fora da cidade. Muitos carros estão estacionados ao lado do caminho. Vou mais rápido que os carros que vêm na minha direção. A fila de carros se move devagar. Ônibus carregados de gente. Um letreiro aponta ao leste, "Dia da aviação". Um espetáculo evidentemente bem visitado. Um policial dirige. Os que encontraram estacionamento e começam a ir, vão todos à mesma direção.

 

E só acompanhar a favor da corrente. Páraquedistas no ar com pára-quedas retangulares. Bonito tempo. Aglomeração de gente. Policiais. Entrada 8 marcos (DM). Finalmente depois de um longo caminho se vê o campo de aviação. Um caminho curto pelo campo. Um avião de hélice brinca no ar, desenhos de fumaça, piruetas, vôo de caida etc. Parece perigoso. Campo de trevo. Sigo caminhando sôbre os trilhos de trem enferrujados. Pequenos aviões de hélice no gramado lá adiante. Na pista de aterrisagem. Altofalantes. Dificil escutar. Que estrondo! Um avião de vapor. Subindo. O avião para no ar um pouco acima do solo com os tubas do motor virados para baixo. Fantástico! Roda no ar em volta da fumaça. Gente deitada e sentada na grama. Alguns tapam os ouvidos. Que barulho! Depois de algumas voltas o avião aterrisa e levanta outra vez. Balança no ar. Aterrisa outra vez e finalmente silencia. Mas não, começa de novo.

 

Um helicóptero militar voa silencioso. Pode dar a ré no ar. Eu me sento na grama atrás de um avião esporte estacionado. O helicóptero mergulha despencando. O público fita arregalado. Muitos fotografam ou filmam.

 

"The Red Arrows", que eu tenho há muito tempo num postal.


The Red Arrows brincando no céo.

"The Red Arrows" brincando no céo.

 

Que espetáculo. Fumaça vermelha do avião. Bonitas formas. A formação do "Apolo". Fumaça azul. Um programa longo. Dois aviões se dirigem um contra o outro num curso de colisão. A colisão se evita com uma margem muito pequena. Repetidamente. Isso foi o auge do programa. Muitos vão embora. Eu também. Adiante do estacionamento na grama. Pela linha de trem. Através dos quarteirães de casas. Pelo muro da cidade, um pouco, vejo um desenho engraCado no muro e sigo adiante descendo a ladeira para Detwang.

 

Muralja da cidade de Rothenburg ob der Tauber


Rabiscos na na muralja da cidade.

Rabiscos na muralja da cidade.

 

Do outro lado do Rio Tauber eu vejo um pastor com seu rabanho de ovelhas. O dia foi comprido, especialmente quando eu tinha escrito quase tudo que ocorreu. No final é trabalhoso. Amanhã interromperemos nosso acampamente e continuaremos nosso caminhada com nossas carroças. Para o sul.

Detwang ------Gebsattel (Gästehaus Lamm).

Segunda-feira 3/9 1984

7 quilómetros

Nós tivemos que esperar muito até a barraca ficar totalmente seca, tão seca como queriamos. Ao meio dia comemos panquecas de batata no restaurante ao lado do acampamento. Às duas horas já estávamos saindo. Meu pai estava mal. A garganta ruim ainda lhe dóia. Êle estava com poucas fôrças também. Mas conseguimos ir por um caminho calmo e bastante livre de ladeiras ao lado do rio Tauber. Foi um caminho bom que meu pai encontrou para nós. Ainda assim êle se cansou. Ganhamos um bom quarto com chuveiro no Gebsattel. Comemos batatas fritas com salada num restaurante à 400 metros dali.

Gebsattel ------Wornitz (quarto privado em cima do correio).

terça-feira 4/9 1984

14 quilómetros

Agora meu pai começa a "funconar" outra vez. Está melhor. Lutamos para subir uma ladeira grande de dois km e meio até ao distribuidor de água entre os rios Rhen e Donau. O tempo estava bom, mas a gente espera o tempo ruim e até neve nos Alpes. Nós tempos que subir a montanha antes que seja tarde. Do outro lado na Itália com certeza está melhor de novo. Tivemos sorte com nossa hospedagem noturna hoje. Agradável e pessoal. A menorzinha de seis meses, resplandecia como um sol quando eu lhe dava tapinhas no rosto. Tivemos permissão de comer nossa própria comida na sala de televisão.

 

FIM DA CITAÇÃO DO DIÁRIO.



Salve a amizade Brasil - Suécia!

E-mail:

 

Kim Mällberg - kimantis@yahoo.se

 

Casa de vigamento em treliç, Rothenburg ob der Tauber.

Copyright © 2002 by Kim Mällberg.



A pàgina primeiro!


Kim / Português (1)
(2) (3) (4) (5) (6) (7) (8) (9)
@
Kim








PARA CIMA!



Kims Länkar / en länksamling /